26 de dezembro de 2012

Uma Grande Família

Existe dentro de uma sociedade um pequeno grupo de valor ímpar,de qualidades e virtudes incontáveis porém transcritos em simples sete letrinhas mágicas."FAMÍLIA";termo referido a indivíduos de mesmo sangue,de mesma linhagem.Geralmente é comportada em um grande núcleo de familiares,outros menores,porém os valores devem  permanecer os mesmos.Dentro de uma família existe sempre os que conseguem obter mais brilho,porém nas boas famílias todos tem o seu brilho,sua luz,seu valor,somos pequenos cacos de vidro,mesmo diferenciados mas que quando reconstituídos se transformam em um grande quadro,este grande quadro que chamamos de família,na qual unidos uns aos outros,superando as diferenças buscaremos á redenção voando pelas asas da paz e da liberdade guiados por Deus.

Gabriel Dalmolin

20 de dezembro de 2012

O Beija-Flor

Olha que figura mais vislumbrante,pequenina mas de valor,carrega no peito seu semblante,este sim é o beija-flor.Lembro-me das tardes serenas onde bandos destas aves buscavam alimento nas árvores do quintal de minha avó,hoje restam poucos para contar história e quando os vejo;não são em grande quantidade,quando os vejo...vejo um só.

Gabriel Dalmolin

O Fim da Tarde

O dia vai se fechando,assim como meu coração,vejo no horizonte as estrelas se firmando e o Sol se afastando.O fulgor das verdes campinas vai se perdendo,esmigalhando-se com o alaranjar das cores,as águas brilhando,arco-íris se formam,à brisa penetra meu corpo assim como a chama do amor que me consome,o Sol que me dilatava era você e agora sem o seu raiar calmo e sereno o teor da tristeza se transforma em fogo e este fogo está pronto para implodir meu coração. 

Gabriel Dalmolin

19 de dezembro de 2012

Como nos diferenciar dos robôs?


É de uma forma indiscutível diferenciar um robô de um ser humano. Sua aparência é diferente assim como seus hábitos e seu jeito de ser. Mas realmente a maneira mais fácil de identificar um humano é geralmente quando precisamos comer, quando nos machucamos, quando precisamos de ajuda dos nossos pais, amigos, quando sentimos dores e principalmente na hora em que nossos sentimentos se despertam. Por exemplo: quando não gostamos de uma pessoa temos sentimento de ódio e raiva, quando estamos longe de uma pessoa que queríamos que estivesse perto, sentimos saudade, e quando gostamos tanto de uma pessoa que  faríamos de  tudo para fazê-la feliz, sentimos amor. Enfim, são características freqüentes em um ser humano qualquer. Outro fato é quando nosso corpo reage diante da solidariedade, quando ajudamos quem precisa não por obrigação, mas por compaixão; da saudade, nos momentos em que sentimos falta de alguém ou de algo; do carinho, quando alguém nos faz sentir confortável e feliz da maneira mais simples, porém com todo o amor que se pode dar; e da esperança, quando acreditamos em algo que não há mais chances, quando temos a certeza de que podemos fazer o impossível acontecer.

Um robô não tem esses sentimentos, essas virtudes, esses defeitos e nem essas qualidades. Mas, será que um robô seria capaz de machucar, manipular e ferir tanto um indivíduo da própria “espécie” como a maioria dos humanos fazem?
 -Acho que não!
Sabrina Tamires de Oliveira

18 de dezembro de 2012

Cômica da paixão

A paixão é algo inigualável,uma ferramenta que fica guardada em uma caixinha chamada coração,e que sempre aparece nos momentos mais delicados de nossas vidas.A paixão não tem só seu lado melancólico como costumamos passar,ela também tem seu lado descontraído.O prazer,sim,o êxtase de sentir o sabor dos teus lábios de abraçar-te imensamente e jogá-la para o ar como se fosse meu brinquedinho favorito,e como tal guardado em meu coração,com o mais requentado dos aromas.Beijo teus pés e me ajoelho frente a ti,sou teu servo e seguidor,teu robô meu amor,minha querida e bela flor.Você que é meu ponto fraco que faz meu coração amolecer e esmigalhar-se quando estou longe de ti,é á você que amo e é contigo com quem quero estar para o resto da vida,está é a minha cômica da paixão,na qual você,só você, é a protagonista desta história!

Gabriel Dalmolin

14 de dezembro de 2012

O tempo voa

O tempo?Talvez um dos maiores inimigos e ao mesmo tempo um dos maiores parceiros do ser humano.Inimigo que te vai matando aos poucos pelas costas,afinal o tempo trás a velhice, onde perdemos grande parte de nossas mobilidades e facilidades,porém é onde vivemos o auge da experiência,onde podemos passar nossos aprendizados ás próximas gerações,para tentar não cometer os mesmos erros que cometemos.Erros e falhas estas que ás vezes ficam mais marcadas em nossas vidas do que os acertos,mas o que nos resta é erguer a cabeça e agir com o máximo da naturalidade possível.Corremos,há como corremos...somos grandes velocistas contra o tempo,afinal nosso período terreno é curto,mas o suficiente para tentarmos fazer o mínimo: cumprir nossos objetivos vivendo em paz repleta,buscar seus ideais e lutar para possuir um diferencial,o SEU diferencial,para não partir deste mundo sem deixar ao menos sua marca,ou seu pedacinho no bolo marcado.Passa hora,passa segundo,o relógio vai girando,e eu continuo aqui,o tempo voa e as oportunidades também.

Gabriel Dalmolin

9 de dezembro de 2012

Forças

O céu está em constante mutação,num instante azul formoso,n´outro vermelho luminoso,ms as vezes o firmamento se torna negro,as nuvens acinzentadas viram um sonho vil,pesadelos...Os ventos sopram de forma desproporcional sobre todos nós,pobres mortais regidos por estas forças naturais.Do que nos adianta ter o conhecimento das ciências exatas,humanas e biológicas,se não temos como gerir esta força superior?Talvez esta resposta não se encontre em uma enciclopédia,apostila ou jornal científico,mas talvez no dicionário onde encontramos a resposta na simplificação da palavra que define essas perguntas controvérsias, a palavra FÉ.Pois mesmo quem não possuí crença sobre Deus,deve ao menos acreditar em alguma força superior que comande o universo,pois não é possível o homem se manter somente na razão,mas precisa se alimentar através da emoção (sentimentos),da sua força física e espiritual,pois é da união da cabeça,corpo,alma e coração que somos constituídos,e desta constituição é que nos formamos sobre tudo,verdadeiros seres humanos,capazes de acreditar,pensar,problematizar,criticar,se manter firme,e sobre tudo amar.

Gabriel Dalmolin

27 de novembro de 2012

O Esplendor do Poente

Vejo ao longínquo o poente...
Fito o seu grande esplendor!
Aquela imensa chama ardente, 
Que trás raios de amor.

Nas verdes campinas orvalhadas,
O vento se impõe com fulgor;
A estirpe mais que aguerrida,
Se transforma em passado e dor.

O compasso das canções...
Vira o mais firme semblante!
Une vários corações...
E cria jovens amantes!

D´alma nasce o viver,
Do solo que a mesma pisa,
Minha razão de ser,
Tendo como sentir,o teor da brisa.

Chega a lua, cai a noite,
O céu,é meu firmamento,
São minhas utopias de reponte,
Penso em vós,doce encantamento.

Cabelos d´ouro,olhos celestes,
Lábios de imensurável sabor!
Rainha o que me fizestes
Foi se transformar,sinônimo de amor.

Gabriel Dalmolin

25 de novembro de 2012

Pranto de Ausência

Esse é o meu pranto,lágrimas escorrem pelo meu rosto e trazem um vazio para minha alma.Todos os sentimentos caem sobre tudo no chão na qual piso e os sedimentos de poeira arrastam eles para o desconhecido,para o impenetrável e arenoso solo que me sustenta.O firmamento parece perder sua pureza e o ar a qual respiro parece me sufocar.A verde campina se estremesse assim como minha polidez que me engana como um felino traiçoeiro.Esse pranto de ausência que assombra minha vivência,nada mais é do que as nostalgias e desilusões que percorrem por minhas veias e castigam o meu peito.Nada mais é do que o conjunto de sofrimentos que está trancafiado em minha garganta,nada mais é do que saudade de tudo como fora no pretérito e tentar encontrar alguma forma de transformar tudo em presente,ou quem sabe num futuro não muito longínquo.Mas não posso omitir uma escuridão que brota no meu corpo,o temor de fracassar em todos os sentidos é o que me faz ter meus pés firmes ao chão e evitar passos bruscos,buscando meus objetivos com um passo de cada vez.Amor?Meu forte coração é valente e tenta não se iludir mais com momentos nada propícios para minha integridade física e mental,mas ainda não sou de ferro ou de aço e sim carne e osso e portanto não posso me condenar se por mais de uma vez cair na tentação de amores proibidos que a vida inteira estiveram a me perseguir.As lágrimas estão secando,o desabafo foi propenso,mas no entanto ás mágoas jamais passarão por completo,até que todas as saudades sejam trucidadas e todos os males sejam liquidados.Agora só me resta atravessar este lago que se formou no meu pranto ausente que transformou meu passado em transcendente.

Gabriel Dalmolin 

18 de novembro de 2012

Amigos de Verdade

Amigo? Palavrinha com tantos sentidos nos dias atuais não acham? Mas que possuí sentido único.Você vê aquele um que faz uma festa e está repleto de amigos ao seu redor,enquanto você possuí sempre consigo aqueles 4 ou 5 velho amigos que sempre te trataram e são tratados como irmãos,agora será que o "bonachão" cheio de amigos de festejos consegue juntar esses mesmos 4 ou 5 caso ocorresse uma enfermidade consigo mesmo? É...nas horas difíceis que se conhece os amigos de verdade. Assim não é diferente no quesito distância. Quantos amigos que você sentia aquela conexão e afinidade de chamar de IRMÃO e que uma mera palavra "distância" mudara completamente este sentimento de ternura? Realmente é um baque,uma pancada,um soco tão letal que ferre meu rosto e meu coração de desgosto.A distância é uma prova de fogo,pois é a partir dela que podemos descobrir quem são nossos AMIGOS DE VERDADE, aqueles que seguem sempre os mesmos,independente 
de conhecerem ou andarem com pessoas diferentes,amigos que sempre se sacrificarão por você e que te estenderão a mão nas horas difíceis mesmo estando tão distantes e que estarão dando aquele abraço de amigo e as velhas gargalhadas nos momentos de extrema euforia,de vitória...Amigos como estes são poucos que possuem,e é a partir de agora que começo a ter uma perspectiva maior de quem são meus verdadeiros amigos, aqueles que não te seguem por aproveitamento,como o chupim que deposita seus ovos nos ninhos de tico-tico para o pobre do animalzinho cuidar da cria dos outros.Amigos de verdade não se encontram na esquina e nem se tornam amigos da noite para o dia,caso contrário você está banalizando a palavra AMIGO,colocando em vão está palavra de magnífica exuberância.Enfim,um amigo não te julga pela cor,pela tua classe social e nem por suas posses,e sim pela suas atitudes,não fala mal de você pelas costas,mas se tiver algo de ruim para falar,o faz mas na cara,frente a frente. E para os que se perderam basta ai uma dica,separe os amigos que você os trata como irmãos e que te dão o mesmo retorno,e o resto,trate e considere como meros colegas,pois a alcunha de AMIGO custa caro,e ela só é ganha a partir de duas coisas: MERECIMENTO e TEMPO.





Gabriel Dalmolin

15 de novembro de 2012

República - Documentário

Á 123 anos o Brasil passava por um momento dos mais marcantes em sua história,tão importante,mesmo não tão famoso,quando á proclamação da Independência brasileira,alguns anos antes.Este momento ocorrido em 15 de novembro de 1889 se deve á Proclamação da República,liderado por figuras de naipe maior como Deodoro da Fonseca,Floriano Peixoto,Benjamim Constant,Quintino Bocaiuva,Rui Barbosa e Campos Sales.Um marco histórico para o país que a partir deste momento estaria supostamente entrando para um grupo seleto das tão famosas repúblicas da época, como Estados Unidos e França,modelos de política,ideologia e poder.Mas anos antes o próprio Brasil tomaria seus primeiros contatos com este sistema político em 1835 com a Revolução Farroupilha,que provocou a República Rio-Grandense no estado do Rio Grande do Sul, e a República Juliana em Santa Catarina.Mas afinal, no que consiste de tão diferente esse parâmetro político? Simplesmente pois a partir dele chegamos á democracia, e com isso nos livramos sistematicamente de vivermos em Impérios,ao menos na teoria,na qual obedecemos o poder supremo de um soberano,e sim,um governo mais brando na qual cada cidadão pode contribuir manifestando seus sentimentos e ideais através do voto,escolhendo os seus representantes,para o país,estado ou município.Neste momento deveríamos estar nas ruas comemorando com festas e confraternização com o povo,afinal está vitória não foi nada mais nada menos do que a vitória do povo,da massa,de podermos finalmente manifestar nossos desejos e não sermos repreendidos por dizermos o que pensamos,e sim pela indisciplina.Talvez,esta conquista seja até mais importante do que a independência de Portugal, que aconteceria mais cedo ou mais tarde e não teria tamanha interferência.Enquanto á república,cada dia nas mãos de um rei soberano aumentaria o sacrifício do povo,e a luta das camadas mais baixas por uma vida mais justa,tolerável,buscando encontrar valores,ética e a cidadania.  

Gabriel Dalmolin

10 de novembro de 2012

Anjos das Chamas


Bombeiros também são anjos... Muitas das vezes deixa sua família pra ir ajudar a outras que mal sabem seu nome, idade, mas talvez saiba o seu endereço e a aflição que toma seu coração. E que muitas dessas mesmas vezes, sequer obrigado recebem. Às vezes até criticados são, sendo que seu salário geralmente mal serve para por a comida na mesa, isso sem contar os que fazem esse gesto de humanidade voluntariamente e por vocação. Sem dúvida esse é um dos serviços prestados a sociedade mais importante que existe, o gesto de salvar pessoas indefesas é um ato heroico, tão heroico que por isso podemos os chamar de anjos, anjos estes que surgem das chamas dos mais incontroláveis incêndios. Muitas vezes crianças e jovens morrem em seus braços, e isso obviamente eles jamais esquecem, pois cada bombeiro é um salvador e carrega no coração a alma e o amor por cada pessoa que passou por seus braços.

Chayenne Uller & Gabriel Dalmolin

9 de novembro de 2012

O Gaúcho - Book Trailer

Olá pessoal, como todo bimestre do ano letivo costumo mandar uma análise de um livro esta vez não foi diferente,porém em forma de vídeo.O Gaúcho,de José de Alencar um clássico nacional e uma referência regional.Narra a história de Manuel Canho,o "homem do deserto",um ser dotado de ideologias e essências e que vive contemporaneamente com a Guerra dos Farrapos (1835-1845).E o resto...bom melhor eu ficar "calado" e vocês verem por si mesmos,espero que gostem!


O Guasca

Afinal quem é o Guasca? Um homem forte,aguerrido,criado no deserto que não tem morada e tem o firmamento dos campos celestes o seu aconchego,e que carrega na alma tamanho vigor que transformado em pudor se torna o mais livre destes pampas.Um adulto com alma de garoto e mente amadurecida.Calmo como o tarumã,astuto como uma ave de rapina,veloz como um pardo,bruto como o mais xucro do reino animal,mas com um coração de poucos,um coração gaúcho.Não tem medo de peleia,pois esta é sua vida,ao lado de seus dois fieis parelheiros,seu cavalo no qual brota de sua alma o apelido carinhoso de pingo,e seu cusco oveiro,parceiros nos quais jamais o deixarão,não sem vencer o redomão,não,realmente não te negaram á mão.O guasca é trovador, com sua gaita faz o minuano roncar no compasso da milonga e contradizer o pampeiro que se apruma no oposto.Sua guitarra chora nos seus acordes refinados.As chilenas,a adaga e a boleadeira são suas defesas para a lida campeira,enquanto a bombacha e o lenço colorado sua identidade.Os rivais se assombram num costado mas são todos guardados na guaiaca,o mate sevado parece ser o seu salvador,o gado se impõe na coxilha,e o chibo está bem tostado na brasa caliente do fogo de chão.Guasca nada mais é do que o homem do deserto,do pampa, que vive a lida bruta do campo,que defende suas crenças,sua pátria,seus amores e ideais,ajoelhado no alpendre,beijando sua cruz...

Gabriel Dalmolin

7 de novembro de 2012

PARA DESCONTRAIR - 12ª Edição

Após muito tempo sem fazer a série "Para Descontrair", que chega a sua 12ª edição, venho através deste para tentar pagar um pouco da minha "dívida" com meus leitores e preencher uma vaga em branco no blog, já que já vou avisando que este mês será muito apurado para mim já que é o último mês do ano letivo.Abraço a todos...


Gabriel Dalmolin

6 de novembro de 2012

Agradecimentos - Geral

São poucas as vezes que eu venho falar diretamente com vocês meus queridos leitores, gostaria de agradecer a todos vocês que leem meus textos diariamente ou com frequência o que escrevo aqui.Hoje comemoro um momento histórico na minha vida,e para minha futura carreira profissional (seja de jornalista ou de escritor),pois pela primeira vez um texto meu é publicado no Jornal "O Corujão" de Rodeio-SC,sendo ele o A base para a vida, uma devida homenagem aos professores e professoras deste nosso país continental.Gostaria de agradecer primeiramente a minha família, á meus pais Dionei e Vivian Dalmolin, a minha tia Vera Carezia, ao senhor Geraldino Ochner editor do Jornal "O Corujão", a minha professora Cleide Pisetta, as ex-professoras Odete Minatti e Samira Valcanaia,pessoas que não estão mais comigo mas que me seguem lá do campo celeste como meu nónno e nónna e a Dona Solete dos Santos,ente muito querido.Sem esquecer de grandes amigos a Clara (que fez com que eu me interessasse pela escrita), Janaina (que me deu a ideia de publicar no jornal),Richard,Laiana e a leitores muito especiais como Franciele,Chayenne,Sabrina e Thais.Afinal sem essas pessoas e entre outras que não coube neste breve pensamento mas que carrego em meu coração são a razão do meu viver e a razão de eu chegar aonde cheguei...O recorte do meu texto está na página 23 da coluna "O Leitor Participa" ao lado dos famosos textos do saudoso Ludovico Adami.Obrigado a todos, um beijo e um abraço do mais novo "futuro escritor" da cidade!

Gabriel Dalmolin

29 de outubro de 2012

Carta aos ares

Perdoa-me mas não sei seu nome,nem seu endereço,não sei sua idade nem qual sua cor preferida.Mas admito que foi difícil não reparar em você,seus olhos claros dengosos me despertavam tamanha curiosidade,o brilhar azul tilintava meu coração,e como consequência resultavam em sonoros apertos.Mas não há como negar que aquele olhar misterioso tinha segundas intenções, e que você estava completamente obcecada por mim.Nem nego o quanto me perseguiste por mais longe que eu fosse,e por mais repetidas vezes que eu te ignorava.Mas posso vos afirmar que eu sinto uma imensa vergonha,uma vergonha de mim mesmo,de minha atitude infantil e insolente.A minha curiosidade em relação a ti era tamanha,mas prevaleceu o meu orgulho retardatário.Sequer fui capaz de pedir o seu nome,que se fosse metade da sua beleza já estaria de bom tamanho.Fiquei loucamente encantado com aquele gesto de amor.Mas volto a repetir que uma força negativa sobressaiu se sobre mim e que esta força me fez proporcionar angustia á um coraçãozinho que só bem me quis.Essa força negativa,talvez seja o medo,a vergonha mas provavelmente foi o meu ego hipócrita que mas uma vez fez eu cair no rumo errado da trilha.Como eu estava louco de poder te acariciar,te olhar de perto e contemplar tua beleza exótica e de difícil redenção.Digo mais,não consegui sequer pregar o olho,em uma das piores noites da minha vida,sonhei com seu rosto,com seus olhos,e com seus lábios tocando loucamente os meus e transformando em uma chama que se propaga e se alastra pelos nossos peitos chamada paixão.E saber que tudo isto poderia ter acontecido com um simples gesto de "Olá,tudo bem?", "Qual é o seu nome?", e outros dizeres básicos que me levariam ao êxtase mas que ficarão apenas marcados em mais um dos meus desejos que jamais poderão ser realizados,por conta de caprichos meus,que parecem só me levar a dor,ao sofrimento e a retardação.

Gabriel Dalmolin

26 de outubro de 2012

Crônica Eleitoral

Estamos em pleno ano eleitoral,um ano em que cada um de nós têm o direito de escolher o seu futuro e o futuro de sua comunidade.Cabe a você estudar as melhores propostas para contribuir na evolução de seu município.Sim,e é a partir do voto que caí sobre a gente uma responsabilidade imensa e uma chance espetacular de mudar o ruma da sua cidade,e de quem você ama.Devemos encarar esta oportunidade com tamanha seriedade,sem banalizar este poder que nos cabe.Agora meus queridos leitores,vêm uma série de questionamentos reflexivos...
Vale a pena jogar fora esta oportunidade de colaborar,deixar sua marca pela cidade e indo mais longe, de revolucionar?Para quê destruir seu futuro e seus sucessores?Isso têm um nome claro,egoísmo ou medo,medo de talvez mudar,nas pequenas cidades percebemos o conservadorismo que toma as pessoas elegendo as mesmas pessoas durante períodos expressivos, como 30 ou 40 anos...Grupos estes que formam grande oligarquias e se sentem donos da cidade.E a culpa é de quem?Do povo!Ou ao menos grande parte dele de absoluta ignorância.O que adianta eleger alguém que você sabe que não irá tirar a bunda quentinha da cadeira?Que está pouco se lixando conosco?É revoltante saber que "pagamos o pato/' por estas atitudes equivocadas de nossos próximos.Outro fator revoltante na política,é a falta de interesse da população por ela,quando seria uma obrigação de cidadania.Mas o cúmulo está naquele que vende seu voto,por simples favores pessoais: vale compras,dinheiro e até mesmo dentaduras,sim isso mesmo, "dentaduras".Tudo isto para depois o mesmo político de mau caráter enfiar o nosso dinheiro dentro de sua cueca imunda?
Este é um tempo de reflexão,então pense bem antes de teclar seus dígitos nas urnas,para depois não chorar pelo leite derramado.Quatro anos estão em suas mãos,e a grande chance de quebrar "Impérios",por isso vote consciente,e independente de quem vença,fique com a consciência limpa e com a gratificação de ter feito o melhor por sua terra.

Gabriel Dalmolin

25 de outubro de 2012


Um Bravo

Descende ele de um povo forte e aguerrido como poucos,o sangue avermelhado tingido de imigrantes e misturado com o povo desta terra, isto o faz ser um bravo heterogênico.Um humano cheio de virtudes,opiniões e bravura.Mas acima de tudo ele é reconhecido por ser um Homem,e com "H" maiúscula mesmo,que deve-se para destacar sua grandeza perante alheios. Um homem no qual não se pode negar o tamanho respeito que impõe sobre todos os que por ele passam.Um senhor simples e brasino,sem frescuras e nem rusgas ou rixas com o próximo,um homem criado na simplicidade,mas que mesmo assim cheia de júbilo em seu peito.E que não teme manifestar seus ideais e ideias.Sobre tudo,é um verdadeiro bravo,que luta com suas próprias mãos contra tudo que se afronta contra ele ou á quem ele mais ama,e que luta contra seus maiores medos,dificuldades e a enfermidade, e diferente dos fracos,não se envergonha de seu pranto derradeiro,pois são lágrimas de um vencedor,de um herói,e que servem como desabafo das lamúrias sofridas.Não tem armaduras e nem espadas,só uma mente sábia,um bom censo e um vasto currículo de trabalho e fraternidade que vale mais que qualquer arsenal.Este bravo é meu pai,homem este que amo,respeito,admiro e buscarei sempre inspiração no mesmo,para quem sabe um dia ser ao menos metade do que ele foi e sempre será dentro do meu coração.

Gabriel Dalmolin

24 de outubro de 2012

Respeito ou Medo?

Há uma grande diferença entre respeitar e temer...Uma diferença que para muitos parece não ser clara,mas que na verdade é óbvia e lógica.O respeito,é uma virtude que cada um de nós carrega dentro da alma,e que sentimos por pessoas que amamos e temos tremenda afeição por ela.Assim como nossos pais,avós e amigos.Já o medo,está presente no desconhecido,no que te desperta curiosidade,no que te deixa inquieto e com uma sensação ruim e assombrosa.Para todos os efeitos,existe a mais simples definição para diferenciar os dois termos,pois "se você tem respeito por alguém não tem medo,e se tiver medo não tem respeito".O respeito é um dos princípios básicos da vida,o medo precede de uma simples lei,você teme a quem pode te machucar,a quem pode te prejudicar ou te trazer qualquer tipo de coisas ruins,já o respeito,é o sentimento mais nobre que você pode dar a alguém que você admira,mesmo esta pessoas muitas vezes,mal saber de sua existência.

Gabriel Dalmolin

19 de outubro de 2012

Amor Fraternal


O inverno já começara, e finalmente chegará a melhor época do ano, a época das maçãs, nada era mais saboroso que um maçã fresquinha, com exceção do leite materno de minha mãe, mas que não bebia há um bom tempo, tamanha riqueza que me proporcionou o maior milagre, o da vida. Foi difícil, difícil a forma que ela partiu. Sei que a culpa de ela ter partido foi minha, mas o que eu poderia fazer? Sempre fui muito menos do que meus irmãos. Enquanto eles iam brincar no lago, eu ficava tentando atravessar o pequeno riozinho. Quando ela adoeceu, todos me viraram as costas.Como eu poderia saber que só pelo simples fato de nascer eu a mataria? Então me vi em um poço sem fundo, e não sabendo mais o que fazer neste mundo cruel passei a correr, correr em busca do perdão. Meu coração amargurava dois sentimentos, era como amor e ódio galopando a mil quilômetros por hora, minha disparada era tão veloz que parecia que eu cortava o vento, e ele com raiva me chicoteava sem dó nem piedade. Queria eu pagar o preço salgado do erro que cometi, mas seria mesmo minha a culpa? Continuei minha caminhada em busca da redenção,até que encontrei um povoado distante.Reparei a ternura de uma mãe e seu pequeno filho,juro,lágrimas caíram do meu pelo castanho e felpudo. Me aproximei,e a partir dali começaram a acariciar meu pelo e tratá-lo como o mais rico e admirável pedaço de seda.  Foi então ali que voltei a sentir algo que me faltava á muito,felicidade,um sentimento que estava órfão de meu coração.Tratado como da família ali fui até que o destino me oferecesse um novo desafio.A guerra estava próxima,e não haveria outro jeito de eu livrar o tormento do falecimento de minha mãe.Partimos de matina,e chegamos no romper das auroras. Tudo parecia armado para aquele dia que viria a seguir,em outras palavras,tudo seria prólogo para o amanhã.Partimos para a batalha,não demorou muito para sangrarmos nossos inimigos,mas algo parecia me dizer que essa história não ocorreria bem.Bem,e minha intuição estava certa,era uma emboscada,e eu e meu amigos estávamos encurralados pela guarda rival.Tudo indicava para um fim terrível. E a culpa? Novamente seria minha por ter teimado em entrar por um atalho desconhecido? Lógico. Mas,nada mais importava,não deixaria novamente alguém que eu amo cair por terra sob meus olhos.Com minha agilidade e destreza redemoinhos de areia se fizeram o suficiente para distrair meus adversários e poder derrubá-los e pisoteá-los com meus cascos pesados.Era eu contra um exército,parecia utopia,ou melhor,um pesadelo.Mas era assim que eu queria o meu fim,de repente meus olhos se desviaram e vi uma arma voltada para meu amigo,corri como um pardo e cortei a frente quando a bala desparrou.O sangue se espalhava pelo meu couro,o vermelho transformava meu pelo em rosilho,e o meu pranto valente em resposta.Tudo estava acabado,os rivais fugiram,e meu amigo salvo.Ao menos meu último gemido não foi de dor nem de tristeza,mas sim de alívio,o alívio de ao menos uma vez não ter falhado,e finalmente poder encontrar minha mãe tão amada,nos campos celestes...

Gabriel Dalmolin & CMF

15 de outubro de 2012

A base para a vida...

Você pode procurar em todos os lugares possíveis,mas em todos você encontrará a mesma resposta para a pergunta "Qual a profissão mais importante para o mundo?".A resposta é fácil e única,é o PROFESSOR.Aquele que traz o conhecimento para nossas mentes,e tenta por em nossas cabeças um senso CRÍTICO,não para ficar criticando os outros á todo momento,mas sim,para sempre analisar as coisas com neutralidade para poder sempre fazer a melhor escolha.O professor,além de tudo,é um forte,que apesar de ser MUITO desvalorizado pelo governo,é de fato um ser essencial para a vida de todos,principalmente nos dias atuais,em pleno século XXI.Afinal,ninguém mais consegue ser um engenheiro sem passar por um professor,ninguém mais se torna médico sem passar pelo professor,hoje em dia mal e mal um gari,sem diminuições,pode exercer sua profissão sem ao menos um ensino básico.Isso demonstra uma evolução,mas ainda é grave o fato de o educador para tudo o que representa para nosso país,e para o mundo, ter uma renda e valorização tão inexpressiva.Enfim, o professor é "a base para a vida",pois será a partir dele que educará e demonstrará os novos jeitos de ver o mundo e de preparar cada um de nossos jovens para o mundo,juntamente com a família é claro,e a partir desses jovens é que poderemos sonhar com um futuro ainda melhor...PARABÉNS PROFESSOR,APROVEITE O SEU DIA,E LEMBRE QUE ACIMA DE TUDO,VOCÊ É UM FORTE!

Gabriel Dalmolin

*Publicado no Jornal "O Corujão" - Rodeio-SC/ Outubro 2012

9 de outubro de 2012

Uma nova Era

Depois de muita espera,muitas disputas,muitos conflitos,desabafos e ilusões;finalmente chegou o momento.Foi muitos anos esperando sentado para que este dia chega-se,para agora poder ver a luz no fim do túnel.O fim de um Império,e o começo de uma nova Era.Chega de os mesmos ditos "grandões" governarem nossa terra,chega de eles mesmo prenderem nosso desenvolvimento,chega de eles roubarem o NOSSO dinheiro,chega de bular nossos direitos,chega de criar novas burocracias e de barrar o progresso.Viva ao fim das oligarquias,afinal não estamos mais no século XIX onde existia o domínio e controle total de um pequeno grupo,enquanto os outros apodreciam esquecidos.Agora estamos em pleno século XXI,e é a vez do POVO mostrar sua força e garra para não deixar estes mesmos poderosos voltarem ao poder,pois agora o MUNDO é nosso,ao menos o nosso mundo.Agora o governo é liderado por todos e por todas,sem restrição de poder aquisitivo,cor,etnia ou família,mas que exija apenas respeito,compromisso,honestidade,amor fraterno e um senso crítico para a vida.E isso tudo não é nem um tipo de anarquismo ou utopia e sim uma realidade,que poderá se concretizar se a partir de hoje o povo e o Estado se tornar um todo.

Gabriel Dalmolin

Um Tempo...

Meu querido e amado Deus, te agradeço por tudo que me destes, por ter saúde,paz,alegria,amigos e uma família que me ama.Mas hoje,além de te agradecer por toda esta grande oportunidade que tenho em minha vida,gostaria de pedir a ti um tempo para mim mesmo,para eu poder refletir nas minhas atitudes e ideias para a continuação da minha vida.Sempre pedi a ti que eu encontrasse o mais rápido possível alguém que me completasse,e você me abençoou com uma primeira chance,mas eu não soube aproveitar e fiz com que aquilo se tornasse algo tedioso e muito aguardado,não sendo tão puro quanto um amor verdadeiro,aliás se aquilo fora amor mesmo,ou eu simplesmente me joguei de cabeça em uma das grandes aventuras que a vida me deu.Talvez uma lição,para aprender a nunca reclamar de barriga cheia,ou simplesmente uma forma de saciar minha sede através de algo que eu tanto queria,e que ao mesmo tempo não me prendesse.Mesmo assim te agradeço por estes momentos maravilhosos que me cercam,mas preciso agora de um tempo,seja breve ou longo,para poder rever meus conceitos do que realmente é amar,de reaprender o que é ser eu mesmo,e como amar de um jeito,que não magoe quem eu tanto amo,tudo isto em um lugar afastado onde é refletir é a única solução.

Gabriel Dalmolin

3 de outubro de 2012

Primeiro Beijo

Uma nova experiência agora faz parte de mim, algo que foi esperado por tanto tempo e que sempre parecia a coisa mais inalcançável da minha vida.Pois hoje provei o quão forte sou,e o quanto vale minha atitude.Finalmente não sou mais aquele garoto incrédulo,pois passei por um momento de extremo êxtase e de amadurecimento.Sim,agora me sinto muito mais homem,muito mais confiante,e muito mais completado para seguir a vida.Não há mais aquela antiga sombra que me cerca para todo o canto,agora amo e sou amado,e destes ingredientes surgiu esse belo fruto,do beijo verdadeiro.Foram momentos dos mais inesquecíveis de toda uma vida,jamais irei esquecer,o teu olhar fixado ao meu e nossos sorrisos unidos como fossem um só.Então como do nada surgiu o grande momento,o clímax da paixão,nossos lábios se tocaram,assim como nossas línguas,e então estava feito,meu primeiro beijo fora dado,em instantes estava feito,um tabu quebrado,e um sabor de mel sobre meus lábios.Então não aguentei o poder do meu coração,e depois do primeiro,houve o segundo,o terceiro,o quarto...e assim sucessivamente,me entreguei totalmente a ti minha querida,não conseguia mais parar,parecia que minha boca estava grudada a sua,assim como nossos corações completamente entrelaçados.E então foi assim que acabou o que talvez foi o dia mais perfeito de toda uma vida,um momento de felicidade extrema,ao lado de quem mais amo,e dando-lhe de presente,a mais bela demonstração de amor que a vida pode nos dar...

Gabriel Dalmolin

27 de setembro de 2012

Gratidão à uma estrela

Já faz mais de um ano desde a última vez que nos vimos,você estava com aquele sorriso estridente de sempre e aquele olhar iluminado.Mas não tenho outras palavras para descrever o que realmente sinto quando volto a pensar em ti,se não minha eterna gratidão por tudo o que me ensinastes e é claro,uma enorme e incansável saudade.Contigo aprendi a dar maior valor a vida,de seguir com toda fé e devoção o que acredito e principalmente a servir a Deus com todo meu carinho,pregou em mim para me tornar um ser humano melhor,e explorar minhas individualidades de forma mais constante,além de me fazer buscar sempre a justiça onde há dúvida e também superar as dificuldades,assim como a enfermidade. Enfim todas as coisas que me ensinaste não tem preço, e a única coisa que pude te dar em troca foi minha enorme gratidão,a consideração e um pouco de carinho.Hoje é a ti que recorro quando mais me sinto em apuros, nem mesmo os santos com qual mais me identifico são tão chamados quanto você, pois sei o quanto me amavas e espero que saibas o quanto ainda te amo, mesmo estando em outra dimensão.O que faço em troca? Sei que talvez isso não seja muito,mas é de coração,sigo tudo o que me ensinaste ao longo  de um dos mais maravilhosos períodos da minha vida.Além de agradecer a ti toda vez que vou á meu repouso noturno,ou simplesmente quando fito uma bela estrela cintilante no meio de toda aquela escuridão,pois é isto que você foi,é, e sempre será,a mais brilhante estrela dentro de todas,e uma das pessoas mais importantes e amáveis que passaram pela minha vida,como se fosse uma grande membra da família,que no fim das contas,acabou realmente sendo. 

Gabriel Dalmolin

23 de setembro de 2012

Princepessa

O Sol nasce no horizonte,e com isso lá me vou com meu fiel parceiro de lida, rumo de meus respectivos objetivos.Eu não sou nenhum tipe de príncipe milionário,chique,cheio de fru-frus e que fala inglês,nem cavalo branco.Não,não sou esse tipo de príncipe,sou um garoto humilde,simples,porém modesto e companheiro,cheio de amor no coração para vos dar.Meu vocábulo é diferente,não é de um reino encantado,mas também não é das ruas,é meu jeito xucro de falar que aprendi e convivi no campo.Se meu cavalo não é branco e lustroso?Não importa!Pode parecer um simples pangaré baio,mas ao menos é ele que me ajudará a vos salvar deste castelo horrível.Bom,espero que não se importas minha rosa branca,que estas diferenciações não sejam empecilhos,e que nosso amor seja eterno,eternamente vivo em nossos corações.Afinal, você é minha princesa,minha donzela que ao contrário do que sempre imaginei,não é nem um pouco indefesa e sabe muito bem o que quer da vida.E quem não sabe? Nós dois sabemos qual deve ser nosso grande futuro,pois ele está marcado nas estrelas,e nada mais é do que um grande amor que nos aguarda,e não haverá distância que atrapalhará este amor imenso que brota de dentro do meu peito.E quando estivermos totalmente prontos,montarei em meu fiel escudeiro e partirei no mais charmoso dos galopes ou até mesmo em marcha em busca de minha princesa,da mais linda moça que existe por estas terras.Agora que disse o que pretendo só basta a você me responder: queres realmente me dar a honra de ser teu rei,e de você ser minha maravilhosa e glamurosa rainha?

Gabriel Dalmolin

20 de setembro de 2012

Farrapo

Hoje é dia 20 de setembro, dia no qual se comemora o início da revolução farroupilha. Hoje é dia de homenagear todos os 35 mil homens mortos em busca de seus ideais.Tanto imperiais quanto republicanos,mas principalmente aos heroicos revoltosos rio-grandenses e também catarinenses,fora os estrangeiros envolvidos principalmente italianos,que lutaram bravamente por seus ideais de liberdade por longos e inacabáveis dez anos,que resultaram na guerra mais longa da história da América do Sul.Muito sangue derramado,muita peleia e destreza,um povo forte que hoje luta para manter suas tradições e bons costumes,e este dia é sem dúvida o principal dia para todo o gaúcho,seja gaúcho de berço ou de coração.Onde dentre as ideias revolucionárias estavam a ideia de república e alforriar todos os servos e escravos da região.Tendo como modelo os países castelhanos e potências como França e Estados Unidos.Mas enfim,mesmo saindo derrotados teoricamente pelo Império do Brasil,acabou por se transformar historicamente como vitoriosos,pois na verdade isto representou muito mais do que uma simples revolta de um povo subordinado e excluído de sua própria nação,mas sim como a maior prova da força e estirpe gaúcha,pois o gaúcho é acima de tudo um grande forte.Como diz o velho ditado "não ta morto quem peleia",e este povo aguerrido e que acima de tudo,tem orgulho de seus heróis que deram suas vidas e suas razões por sua "pátria verdadeira",terra,estiando pelas planuras e pelos pampas a mais bela e vistosa bandeira,na qual as cores são nada mais do que um verde do povo,o vermelho do sangue derramado,e o amarelo da riqueza e da cultura pampiana,está e a legítima coloração,da grande e imortal bandeira e estampa tricolor.

Gabriel Dalmolin

19 de setembro de 2012

O Voto

As eleições vão se aproximando,e na medida que isto ocorre está mais próximo o momento em que cada cidadão recebe a oportunidade de dar sua colaboração em busca de um futuro melhor a nossas cidades.Só que todos nós temos em mente que as coisas não funcionam exatamente assim na prática, que por trás da política há muita sujeira, corrupção e desonestidade.Mas apesar de tudo temos de estar conscientes que ainda existem candidatos que realmente querem este cargo não só para encher suas contas bancárias,como acontece geralmente,mas também para ao menos TENTAR e CORRER ATRÁS por uma cidade mais justa,mais desenvolvida e mais atrativa.Que agrade o povo de uma forma geral e não apenas camadas maiores ou menores, pois estamos já em pleno século XXI, e não há nada mais atrasado na política do que oligarquias controlando governos e as vontades de evolução dos municípios.É claro que nas cidades menores,principalmente,os governantes não terão tanto poder para transformar a cidade,afinal apenas uma pessoa transformava água em vinho,mas ao menos o político deve buscar formas de colaborar em seu mandato,e se cada um de seus sucessores fazerem um pouquinho se quer,teremos no futuro uma comunidade melhor e que contente mais seu povo.Também não se renda a nenhum tipo de tentação ou propina de algum candidato, vote limpo,pois seu voto vale mais do que uns trocadinhos,vale compras,favores pessoais ou até dentaduras como vemos vendo recentemente,seu voto vale o seu futuro,o futuro da vossa cidade.Por isso nesta eleição não seja ignorante e não pense apenas em você,mas ao bem geral do seu município.Vote consciente,vote com fervor,vote limpo,para no futuro você não se arrepender de escolhas precipitadas do passado.

Gabriel Dalmolin

16 de setembro de 2012

Amor Correspondido

A vida é como uma grande bola de futebol,gira e gira,até parar em um lugar onde apenas você poderá salvá-la.Um jovem garoto que convivia com frustrações amorosas passava por uma situação delicada;estava cansado de ficar sempre para trás,de se sentir só e desprezado,de só ter tido paixões fracassadas,de ter vontade de lutar e perder a vida por uma porção de garotas que não vos dava valor.Pois chegou o dia que a bola não caiu no mesmo lugar obscuro de sempre,e sim num jardim de campos floridos e de luz constante.Foi então ai que ele encontrou seu verdadeiro amor,completamente diferente do que ele sempre imaginou,ela não tinha os cabelos loiros como fios de ouro,nem a pele branca como a neve, não tinha os olhos azuis celeste como o céu.Mas ela tinha algo de especial que nenhuma outra garota possuía,ela o amava tanto quanto ele.Tanto ele quanto ela eram perfeitos um para o outro,como aqueles grandes contos de fadas que ouvimos desde crianças mas que achamos ao crescer que não passa de pequenos mitos.Porém,esta vez a magia e o encanto dos contos de fadas se voltou para a realidade ao unir mais um casal perfeito como este,e assim terminou o relato de seu primeiro amor,ou ao menos,o primeiro amor correspondido.

Gabriel Dalmolin

14 de setembro de 2012

Amor Longínquo


Abro minha janela, e vejo aquele Sol caloroso de sempre parecer menos brilhoso... Um sentimento de angustia, de ausência e de nostalgia toma meu coração. Algo que ponteia meu peito como uma adaga feroz, mas que na verdade não passa de um sentimento passageiro, que findará seu término quando voltarmos a fintar meus olhos claros como a selva e teus olhos escuros como a noite. Em cada minuto que espero tenho a mais graciosa certeza que me perder nos teus braços vai ser a melhor sensação. Não lhe faltará motivos para me deixar, pois sempre minha ignorância fala mais alto que meus sentimentos. Sei que um dia por falta de tocar tuas mãos nas minhas e o que sentimos não passará de mera lembrança. Viverei de momentos imaginados para quando estivermos juntos. E então, sim, vou poder olhar fixamente nos teus olhos verdes e poder te dizer o quanto você é importante pra mim. E o que nós sentimos não passará de mera lembrança. Sim minha querida estrelinha cintilante, tudo não passará de uma mera faixa bruxuleante de desilusão que assombrou sobre nossas cabeças,e todo um sentimento renovado tomará conta de nosso coração como uma chama rebelde e incandescente que toma conta de nosso corpo desabilitando-o de uma só vez. Todo aquele sangue que escorria por conta de nossa saudade secará, assim como nosso pranto derradeiro que para nada fez sentido, e agora fica apenas marcado na memória como águas passadas. Eu simplesmente poderia congelar os momentos ao teu lado, se os tivesse? Não. Porque no meu reino só existem o que é pra existir, eu sinto como o vento que está batendo nas árvores lá fora. Aqui dentro de mim, está tudo mais calmo você me deu sua calma e eu só peço agora o teu aconchego, é dele que eu ando precisando. E pelo resto da minha vida, pedirei aos Deuses e aos Santos pra que chegue a hora em que eu acorde olhe pro lado e te veja ali. Mas agora, tudo isto não passa de um passado remoto, no qual não me importa mais, afinal, agora temos um ao outro, estais em meus braços e deles se Deus quiser você jamais irá sair. Pois um amor como o nosso não se encontra em qualquer lugar,em qualquer esquina, mas sim nos corações das pessoas mais admiráveis no mundo,como nós. Aproveito, aproveito este momento para acariciar teu rosto, mexer nos teus cabelos negros e fixar minha visão nos teus olhos brilhantes e no teu sorriso angelical, pois sei que faltará pouco par voltarmos a nos dar aquele grande abraço de “adeus”. Então cá estamos nós, dois corpos induzidos por um único sentimento, o mais puro e real. Confesso a ti meu amor, que nunca encontrei alguém como você e que nunca mais quero encontrar alguém assim. Não sei como, e nem o porque de o nosso destino ter sido ficarmos um longe do outro, mas tudo isso que se passou só me ajuda a dar valor no que eu tenho do meu lado.Já te disse quantas vezes que ninguém iria tomar o seu lugar e ninguém vai, eu te juro que esse coração que bate aqui e bate sempre mais forte quando penso em tudo que passei longe do teu abraço, vai ser pra sempre seu. Não quero que me faça promessas, tampouco que me trate como uma rainha, pode me tratar como uma escrava que mesmo assim estarei feliz aqui, apenas pelos simples fato de te ter. E que seja assim pra sempre eu e você, ou melhor que não seja espero surpresas do destino como você, você foi a mais linda surpresa que eu poderia ter pedido e que veio sem ao menos um esforço meu. Então, meu amor, minha surpresa, te agradeço por existir se eu não tivesse você eu não sei o que seria de mim.Pois este sentimento puro que temos um pelo outro e a mais rica prova de que o amor verdadeiro ainda existe, e não haverá distância nem tempo ruim que separe nossos dois corações,pois somos feitos um para o outro, como verídicas almas gêmeas, independente de aprovações ou não, ninguém irá separar esta louca paixão entre nós,nem o louco e incontrolável desejo de te beijar e desbravar meio mundo ao teu lado.E não será nada nem ninguém que calará esse grandíssimo amor que arde em nosso peito e está intercalado em nossa garganta.

Tainá Vieira & Gabriel Dalmolin

12 de setembro de 2012

Meu Reino

Existe um lugar escondido de todos os outros, onde não existe diferenças, opressão,humilhação e discriminação entre as pessoas.Este local magnífico só existe em um pequeno espaçamento da Terra,e o mesmo se encontra exclusivamente em meus sonhos.Bom...seja bem vindo em meu Reino! Terra onde você precisa apenas ter um requisito para pertencer a ele: ser feliz! Neste meu pequeno mundo não há vilões,nem pessoas que tentam espalhar o mau pelos quatro cantos dele.Pois todos os que existiam foram aprisionados em gigantescas masmorras,guardadas por terríveis e temíveis dragões.Aqui não há enfermidade para estorvar a vida,pelo contrário,a saúde se espalha assim como a passividade que há entre os povos e o revoar da fênix que com seu calor espalha ternura e aconchego.Os unicórnios galopam trazendo vida entre as planuras e restaurando almas perdidas pela desilusão.Fadas e duendes saem de suas casas nas florestas negras para encontrar harmonia em minhas muralhas.Homens de vidro,gigantes,ciclopes,amazonas,centauros e faunos.São tantas as criaturas que acolho em meu reino,não faço distinção de nenhum,afinal cada ser tem o seu valor,e não importa seu tamanho,cor ou materialidade.Diferente de nosso mundo,onde as diferenças são comuns,em meu reino cada pequena pedra tem sua importância,faça pouco ou faça muito,sempre de alguma forma colaborará para o próximo,e este é o ciclo sem fim que movimenta meu pequeno e destemido povo dos sonhos.

Gabriel Dalmolin

11 de setembro de 2012

Utopia Política

Pertenço a uma pátria que só existe em meus sonhos,onde está estendida uma bandeira com as cores da liberdade e que todos nós despontamos de um orgulho imenso.E que caso partiremos dele nossas pupilas se encheriam de um pranto repleto de nostalgia.Uma nação sem dono, liberada por seu povo em geral e não por camadas ditas superiores ou oligarquias. Um local que mantém seus costumes e tradições honrosos como fosse o sangue de seu povo.Que cultua sua história,tratando seu passado como o motivo maior de existir.E que preze os valores de Deus e da família como seu maior dogma.Onde lutamos incansavelmente pelo bem desta nação,independentemente das suas consequências.

Gabriel Dalmolin

S´il vous plaît!

Pare, por favor, pare! Estou extremamente farto de ser julgado por minhas diferenças, tudo por conta de eu sempre buscar o "diferenciado",por eu gostar de músicas diferentes,nos quais não as amo só pelo seu ritmo,mas sim pelo seu contexto e a mensagem que ela me traz.De ter preferencias políticas sempre adversas,de referir o romantismo e as palavras bonitas além de idiomas charmosos que te fazem sentir confortado, como o italiano ou o próprio francês.Não tenho culpa de preferir galopar no lombo de um corcel do que sentir altas velocidades em uma moto,ou de preferir um papel e uma caneta do que passar meu dia inteiro fazendo coisas fúteis na frente de um computador.Simplesmente sou assim!Pois assim Deus me quis, um ser crítico,com opinião e personalidade formada e forte,que busca sempre novas oportunidades e busca superar seus medos do que fugir dele como uma presa quando se esconde de seu predador.Eu sou assim porque simplesmente sou um sonhador,que usa o poder da minha mente para viajar e voar num mundo completamente meu.

Gabriel Dalmolin

Recompensa

Estou eu aqui a pensar,fico contando os segundos para te encontrar.Meu coração começa a saltar como um grande e poderoso leão e a disparar como o mais ágil dos felinos.Percebo que passo por uma fase nova,um sentimento jamais percepto,uma chama que se reascende em meu peito após tanto tempo, o brilhar dos meus olhos se confundem com estrelas quando penso em você.Imagino como você pode ser, mas pouco me importa sua aparência, isso nada mudará nem uma vírgula o que sinto por ti.Teus traços não tem a mínima importância,afinal,creio que pela primeira vez em toda uma vida encontrei alguém que me complete.E não haverá distância nem outros empecilhos que me impedirão de ser feliz.Pois finalmente encontrei o que eu tanto esperava, como valeu a pena ter tido paciência de esperar,agora recebo com méritos esta maravilhosa e gigantesca recompensa.Um pequeno regalo para alguns,mas o maior presente da vida para mim. 

Gabriel Dalmolin

10 de setembro de 2012

Estrelinha

Em uma noite tampada pela escuridão do desespero tudo seguia para um trêmulo fim triste e decepcionante repleto de cansaço e empecilhos.Eis que surge como um toque de mágica uma pequena estrela no meio de toda aquela imensidão.Derrepente,sem saber por que minha expressão fechada e depressiva se transformou em um simples gesto de felicidade...um sorriso!E este mesmo sorriso foi o responsável por um pequeno,porém esplêndido, milagre.Foi como transformar água em vinho,foram instantes de extrema alegria e desconcentração.Bastava simplesmente admirar aquela pequena estrelinha cintilante que brilhava tão forte quanto o próprio Sol,parecia que ela queria trazer algo de bom,boas novas,um abraço caloroso, ou simplesmente queria que eu á responde-se com um simples e ardente sorriso.Pouco sei sobre esse pequeno astro que emergiu do nada sobre minha cabeça,só tenho a certeza de que ela tem um valor incomparável,e que eu devo tratá-la com a máxima dignidade e respeito.Afinal,todas as criaturinhas criadas por Deus, merecem muita atenção,carinho e a mais sincera GRATIDÃO,pelos momentos de extrema felicidade que elas nos conduzem,e por nos guiar por um caminho mais brando,longe da sombra e da escuridão que destrói nossos amores e sonhos.Por fim, essa pequena estrelinha,não pode ser chamada de outra coisa do que a minha mais nova e fiel amiguinha para os momentos difíceis e para os maravilhosos,e creio que a função dela é estar sempre lá em cima no céu,para trazer nas noites frias luz,calor e aconchego para mim e para todas as flores que adormecem no meu "pequeno e lindíssimo jardim".

Gabriel Dalmolin

5 de setembro de 2012

Inimigos

Todos nós temos pessoas que fazem nossa vida se transformar num formoso céu celeste, e outras que fazem nossa vida parecer o mais fundo e ardente cavidade do inferno.Pois bem, são então protagonistas e antagonistas que se impõe sobre nosso caminho e podem nos guiar ao sucesso ou ao nosso fim derradeiro.Como li uma vez em um livro do saudoso e inspirador Sednem Nosreala, nossa vida é como um trem!Sim,um trem...Onde cada pessoa que entra e sai no vagão de nossas vidas traz algum significado para nós e ficarão mais tempo ao nosso lado, pois são protagonistas,e só descerão de nosso vagão quando o tempo deles chegarem ao fim.E que realmente há pessoas que vêm ao nosso mundo só para nos trazer o mal e sentimentos de amargura,E estes são denominados de inimigos ou antagonistas.Mas só você sabe, que no fundo, por mais que ele te trate mal,você tem que ter piedade dele,pois ele não passa de um pobre coração abandonado que foi duplamente tomado pela sombra e pela escuridão.

Gabriel Dalmolin

Em busca do extraordinário

Nada na vida parece me abastecer mais do que as expectativas e os sonhos.Parece sempre uma busca repleta de ilusões.Mas quando me deparo com a realidade me sinto capaz de conquistar o desconhecido e dizimar meus inimigos.Então me sento no gramado com tom de verde duvidoso e começo a refletir...Sinto meu corpo e organismo em constante mutação.Mas nada se equipara ao aceleramento do meu coração.Algo me difere de todos os outros, e com certeza é a caixinha de músicas que coordena o meu peito.Aquele garoto que brincava na grama e se contentava apenas com os frutos de sua imaginação cresceu.E hoje ele se sente completamente maduro para desbravar o desconhecido, superar as sombras de seus medos,e finalmente ter a atitude necessária para tocar os céus e ir em busca do extraordinário.

Gabriel Dalmolin

*Publicado no Jornal "O Corujão" - Rodeio-SC

3 de setembro de 2012

Pedras Preciosas

Dentre todas as escavações em busca dos mais ricos e diversos bens naturais,encontro a meu alcance algo muito mais rico que qualquer outra coisa.Mais rico do que todo o petróleo árabe,muito superior do que todo o ouro submerso nos rios,e melhor do que todas as outras riquezas que conhecemos nesse universo.Trata-se de pedras preciosas,e estas mesmas preciosidades são mais raras do que qualquer outro recurso milionário.Não são pedras brilhantes e sim,mas sim seres humanos,que com certeza brilham de forma tão radiante quanto o Sol.Estas pessoas,são vocês meus queridos amigos,que sempre estiveram presentes nos momentos mais felizes e mais difíceis da minha vida.E é por isso que devo e muito a cada um de vocês,flores que dão um aroma renovado aos ares,as estrelas que encantam a noite,e os pássaros que voam serenamente pelo céu celeste.Enfim,vocês são tão especiais quanto irmãos,pois em vocês posso depositar todas minhas lástimas,e contar para termos os dias mais incríveis de nossas vidas.Nas brincadeiras,nas "zueras",nas farras,até quando brigamos ou fazemos um de nós passar vergonha na frente dos outros,mas isto tudo faz parte,pois quando realmente precisarmos uns dos outros sempre estenderemos nossas mãos e pés,e nos desdobraremos para solucionar as dificuldades.E é por esta sincronia entre nós e mais um pouco que são tão especiais para mim,e portanto amo vocês,amo por terem nascido,e amarei eternamente por terem feito parte da minha vida,de terem ajudado a construir minha história e do fato de serem tão indispensáveis.

Gabriel Dalmolin

29 de agosto de 2012

Por que escrevo?

Ao longo do tempo,as pessoas sempre vêm com as mesmas perguntas para puxar algum assunto,por interesse ou por curiosidade.E uma das frases mais tradicionais é "o que você gosta de fazer?".Bem,como na minha vida inteira foi assim,quando alguém me  questiona com algo do gênero já á preparo para uma resposta surpreendedora,pois sempre estarei de acordo com a minoria,com o diferencial,aquilo que eu acho mais correto,e que não vai ser qualquer um que virá na minha frente e me fará mudar esta minha velha opinião,pois sou tão ferrenho quanto qualquer idoso.Bom,sem dúvida uma das coisas que mais gosto é escrever!Claro,também gosto de conversar com meus amigos,jogar bola ou assistir algum filme.Mas escrever é uma coisa que faz parte da minha alma,do meu ser,e que me traz uma grande paz de espírito,pois transcrevo nas palavras todos os sentimentos que possuo dos mais doces até os mais amargos.Então já sabes,não precisas me perguntar "Por que escrevo?".Afinal nada mais faço do que uma obrigação que cabe a mim e a todos que tem em sua mente,seu coração e na ponta de seus dedos uma maneira diferente e crítica de ver o mundo.Que possuí o talento de fazer de algo maravilhosamente perfeita ou transformá-la em algo terrivelmente horrível.Este é o dom que todo o "escrevinhador" traz consigo,o poder de fazer com que as pessoas viagem em suas histórias,poemas ou crônicas,que sintam o vento fazer com que seu cabelo voe,que sinta o tilintar das espadas como se estivessem saindo a poucos metros de onde estás,e que sinto o amor de dois jovens como fosse você mesmo se lendo.Enfim,estes são os longos e loucos fatores que faz de mim um tradutor das palavras,que faz das mesmas se unirem e formarem uma grande história,que seguirão um só sentido,no qual somente eu posso conduzi-los.

Gabriel Dalmolin

27 de agosto de 2012

Utopia de Amor

Neste meu pequeno mundinho que formo dentro de meus pensamentos, existe sim uma grande e importantíssima utopia.Não...não é a solução que os socialistas procuraram a história inteira,mas sim a minha utopia,o meu sonho maior.Passei tanto tempo da minha vida sofrendo e sendo ensaguentado pelas lanças das perdições que todas as garotas que amei acertaram em meu coração.Foram tantas que fizeram isto comigo,todas diferentes tanto mentalmente quanto fisicamente.Mas todas lá no fundo eram exatamente iguais,pois todas elas não sentiam nenhum pingo de amor e compaixão por mim e pelo meu sofrimento.Porém,começo a desconfiar que esta cina que me rebaixa tanto vai chegando a seu final,e que momento mais propício!Logo agora,no qual estou mais maduro que nunca,mais confiante e acreditando ainda mais em meu grande potencial que vai além de gravar datas históricas e escrever frases e poeminhas para quem nunca me amou.Me deparo com uma situação tão louca,pois talvez neste exato momento eu seja tão ignorante quanto as mesmas garotas que me desprezaram a vida toda,sem ter uma segunda chance.Agora uma situação hipotética vêm tomando minha mente e meu coração,e se neste mesmo momento eu estive-se me apaixonando pela mesma pessoa que sofre pelos cantos por mim?Parece uma história de amor perfeita não?Porém tudo está tão confuso,não consigo me encontrar,nem reconhecer que está pode ser minha grande chance de dar a volta por cima e vomitar todos os sapos que tive de engolir durante este longo período.Bom,eu fiz minha parte,me manifestei...mas agora só falta o seu aval,a sua definição!Se realmente nós dois nos amamos,porque não fugimos juntos rumo a maior aventura de nossas vidas?Faça de mim o teu escudo para superar e combater todos os males que se impõe contra ti minha querida,enquanto farei de você a princesa mais feliz do mundo,mesmo não podendo te dar grandes regalos e surpresas,mas te deixando feliz somente pelo nosso amor incondicional.Me permita sentir intensamente o sabor dos teus lábios,que eu te darei a sensação de tocar os céus,me deixe sentir o seu perfume,que eu te ensinarei tudo o que sei,me deixe abraçar o seu corpo,para eu usar como portal e te dar em troca um mundo só nosso!Enfim,fiz minha proposta,e agora estou com minha mão esticada,esperando sua resposta e que você venha segurá-la para eu poder te levar junto comigo,para buscarmos o auge de nossas vidas e construirmos um mundo novo,repleto de descobertas,as nossas descobertas,a nossa grande utopia de amor.

Gabriel Dalmolin

23 de agosto de 2012

Flor Branca

A cada dia que passa vou descobrindo novas flores que desabrocham em meu jardim.Já tive várias plantas que já vingaram nesta plantação, e entre tulipas,rosas, girassóis e entre outras.Mas agora creio que mais uma florzinha está a vingar nesse pequeno terreiro.Mas o que ela tem de tão especial? Bem sua cor branca representa uma serenidade ímpar,assim como o calmo bater de asas dos pássaros e o movimento tranquilo dos oceanos,também tem uma graciosidade incomparável,que lembra de longe a mais bela dama francesa,além de ter uma beleza única e pura e aos poucos ir conquistando meu pequeno coração.Ela possuí um diferencial que a distingue de outras flores.Aparentemente é só uma florzinha de primavera albina,mas para mim tem um sentimento muito maior do que este.Pois sei que diferente de muitas outras flores que me deixaram na mão e deixaram suas raízes em relação a mim se deceparem,esta mostra fidelidade e companheirismo e aos poucos vai se dilatando em meu coração que vivo chamando de "meu pequeno jardim".Pois é lá que guardo meus sentimentos mais profundos e junto deles os amigos mais admiráveis.Então,ela não é obra do acaso,se nasceu em meu jardim é porque é e será muito valorosa para mim.E creio que está sempre estará do meu lado,diferente de muitas que me abandonaram,para me salvar nos momentos de angustia e me completar nos momentos de êxtase.Bem,na verdade essa pessoa não é bem uma flor,mas podemos dizer que ela é uma verdadeira "flor de pessoa",pois seu aroma,ou melhor seus valores e qualidades,me transmitem tremenda segurança,e isso faz essa amizade crescer a cada dia.Simplesmente não pode faltar mais em meu jardim,por que já adoro ela de mais,e quero que ela saiba que sempre tratarei bem dela,para ela continuar dando seus frutos e para que continuemos compartilhando alegrias e risadas.



Gabriel Dalmolin

20 de agosto de 2012

O fim do que não começou

E neste simbólico dia que encerra-se mais um ciclo.Mais uma ilusão que não possuía futuro.Mas eu devo fazer um ressalto,não devo baixar a cabeça mais uma vez e acreditar que essa sina jamais irá acabar.Afinal,a cada garota que desmancha meu coração,é mais um aprendizado e é nessa acumulação de experiencias que eu vou ficando a cada dia mais maduro e mais preparado para um dia por fim a esta interminável seca que se impõe contra mim como um tremendo furacão.Porém acima de tudo,hoje é um dia que marca o fim,o fim de um amor que não começou,que não vingou,claro que foi praticamente um ano de sofrimentos,mas graças a forças maiores eu consegui lutar bravamente contra a paixão e controlar este amor impossível,para um dia poder soltar da garganta o mais brado e glorioso grito de liberdade,assim como os revolucionários faziam por seus ideais.Sim,hoje eu volto a ser um homem livre,sem necessidade de estar amarrado por alguém que nem se importava comigo,que diz ser minha amiga,mas só me apunhalava pelas costas com tamanha ferocidade.Cansei,fadiguei,basta tudo isto!Seja feliz onde estiver,só saia da minha vida!Tá...Não posso te negar que tudo foi bom enquanto durou,mas nos últimos tempos você só me trouxe tristeza,raiva e frustração.Mas não se preocupe,pois esse não é literalmente o fim de uma história,simplesmente o fim de algo que nunca começou,e que jamais começará.

Gabriel Dalmolin

15 de agosto de 2012

Resenha - O Caçador de Pipas


HOSSEINI, Khaled. Caçador de Pipas, O. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005, 365p.


Khaled Hosseini nasceu na cidade de Cabul, no Afeganistão, em 1965. Aos 11 anos de idade se mudou para Paris, onde seu pai assumiria um posto diplomático na embaixada afegã. Com o fim do mandato de seu pai na França, voltou para sua terra natal, onde sofre com a invasão soviética e se muda para os Estados Unidos  por asilo político, onde mais tarde se formaria em medicina, casar ia-se e teria dois filhos.A história começa no início dos anos 1970, o local de suporte da história é o Afeganistão, na qual a personagem principal é Amir, no qual tem uma infância repleta de aventuras com seu amigo Hassan, outras personagens da história é o pai de Amir, chamado por ele de “baba”, Rahim Khan, sócio de seu pai, e Soraya, futura esposa de Amir. Amir tinha uma família bem de vida, tanto financeiramente quanto social, seu pai era muito conhecido por toda Cabul, capital afegã. Seu melhor amigo era Hassan, que tinha origem hazara, uma classe mulçumana inferiorizada. Hassan era criado da família de Amir, porém era visto tanto por ele quanto pelo pai dele, como um membro da família, e, aliás, era o melhor amigo de Amir. Entre todas as diversões e brincadeiras que os dois faziam, nada era maior que soltar pipas pela cidade, e o principal, “caçar” as pipas que eram cortadas pelo cerol das outras pipas, e Hassan era profissional em acha-las, parecia que ele possuía o “faro” delas. A lealdade de Hassan era tamanha, tanto é que ele chegou a afirmar algo que ficaria para sempre marcado na vida de Amir:
“Por você faria isso mil vezes”. p. 76.
Os pontos altos da história são quando Amir se separa de seu grande amigo Hassan, quando ele descobre que o pai dele tinha câncer e consequentemente vêm a falecer, quando ele se casa com Soraya, e o principal, quando ele volta ao Afeganistão a pedido de Rahim Khan, e descobre que Hassan havia falecido, e também que na realidade, ele era seu irmão de sangue. O romance termina de forma um pouco triste, após deixar sua terra natal e buscar nova vida nos Estados Unidos, Amir passa por uma série de dificuldades, a língua, a cultura, e o estilo de vida ocidental era muito diferente dos seus costumes afegãos. Consegue dar uma volta por cima, mesmo vivendo altos e baixos. Até que um dia, o ex-sócio de seu pai, Rahim Khan, o chama para voltar ao Afeganistão, mandando a seguinte mensagem:
Há um jeito de ser bom de novo”. p. 194.
Lá descobre coisas que mudariam sua vida, descobre que seu grande amigo Hassan, falecera e que o mesmo era seu irmão de sangue, revoltando se contra Rahim e seu próprio pai, que lhe esconderam tamanho segredo por tanto tempo. Mas outra surpresa lhe aguardara, pois teria de resgatar o filho de Hassan, agora então seu sobrinho, Sohrab era o nome dele, ele ainda se encontraria com um inimigo seu de infância, onde acaba sendo agredido fisicamente de forma brutal, e acaba hospitalizado. No fim consegue voltar aos Estados Unidos, levando consigo seu sobrinho, que após sofrer com diversos problemas não voltaria mais a ser o mesmo menino alegre. Porém a narrativa acaba do mesmo jeito que começa, com Amir brincando feito criança caçando as pipas que voavam ao vento, porém Hassan não estava mais ao seu lado, ao menos não em corpo, porém o espírito de Sohrab, era o mesmo de seu pai.A história inicia-se na cidade de Cabul, no Afeganistão, onde o jovem Amir, tinha uma vida boa, onde adorava brincar com seu grande amigo, Hassan, no qual tinham uma única grande paixão, há de empinar e caçar pipas. Porém quando tinham 12 anos de idade, são separados, e logo chegaria a tomada do Afeganistão pelos soviéticos, que obrigaria Amir e seu pai se mudarem para os Estados Unidos. Lá nos Estados Unidos é que se apaixona por Soraya, começa sua carreira de escritor, se forma em letras e descobre que seu pai sofria de câncer, antes de seu pai falecer, se casa com Soraya, enfim realizando o sonho de ter sua amada. Então a pedido do ex- sócio de seu pai, Rahim Khan, ele volta ao Afeganistão, no qual o espera para muitas descobertas, no qual irão abalar sua vida, e fazer com que ele muda-se boa parte de seus planos. O foco narrativo da trama está em primeira pessoa, porque a personagem da história, Amir, é quem está a narrar sua própria vida.
“ Todo o ano, no primeiro dia em que começa a nevar, faço a mesma coisa: saio de casa bem cedo, pela manhã, ainda de pijama, apertando os braços contra o peito para espantar o frio” – p. 54.
O tipo de personagem do livro é esférico, porque a personagem principal, Amir, muda de opinião constantemente ao longo da história. Como quando não topa voltar ao Afeganistão buscar seu sobrinho, mas acaba por mudar de ideia. Observe a mudança de ideia:
“Não quero ir a Cabul, Rahim Khan”. Não posso! – p. 221
E ao se contradizer:
“Disse-lhe, então, que estava indo para Cabul” – p. 227
 Na história o tempo é em dimensão cronológica, pois mostra o passar dos dias, semanas, meses e anos. Afinal a história começa no início dos anos 1970 e vai até o ano de 2002, ou seja é marcado por datas.“Como ficamos sabendo depois, eles não tinham muito em que atirar naquela noite de 17 de julho de 1973.” p. 43.
“Durante uma semana, praticamente não vi Hassan.” – p. 85.
 A história ocorre no Afeganistão dos últimos anos, repleto de conflitos e de problemas sociais, invadido por soviéticos e mais tarde tomado por outras oligarquias que fizeram com que um país tão apaziguado se torna-se um verdadeiro horror.
“Esse é o verdadeiro Afeganistão... O Afeganistão que eu conheço.” p.232.
Simplesmente um dos maiores livros que eu já li, provavelmente o melhor, uma história de amizade repleta de dramas e mostrando uma realidade, no caso as invasões no Afeganistão. Apesar de ser uma obra muito triste pelos fatos que ocorrem nela, é perfeita para nos fazermos parar um minuto de nossas vidas para refletirmos sobre nossos atos, e vermos se estamos realmente fazendo o correto. Indico para todos os leitores que apreciam um grande e belo romance.